Tuesday, January 03, 2012

Informamos a todos os nossos colaboradores, seguidores e amigos que estaremos a partir desta semana retomando o Central PunkRock em um formato de Zine Eletrônico, com as mesmas opções de Download, além de entrevistas, Vídeos On Line e Download de Documentários e Filmes de temática Política e Social, estamos aberto a todos que queiram diretamente nos ajudar, tenho outros projetos que consomem quase todo o meu tempo, trabalho regular, trabalho como documentarista, Site Social (www.portaldaresistencia.org), Faculdade e realmente necessito da ajuda das pessoas que tiverem boa vontade e interesse pela cena Punk Underground para que a mesma sempre se fortaleça!!!

Thursday, March 24, 2011


PHOBIA PUNKROCKERS


São Paulo, megálopole do Caos... desde 1993 o PHOBIA vem tocando uma mistura de punk-rock e hardcore com influência de rockabilly, com letras politizadas e rônicas, em português.

Influenciados por bandas punks dos anos 80 como Replicantes, Cólera, Inocentes, Restos de Nada, Anti-Nowhere League, Sham 69, UK SUBS, Clash, Newtown Neurotics, Buzzcocks e outras, com o passar dos anos, foram incorporando outras influências em seus sons, desde Elvis Presley e Bill Halley até Dead Kennedys e Circle Jerks,
tudo isso sempre levantando a bandeira do punk e do anarquismo com muito orgulho.

Nos últimos anos, o PHOBIA tocou com diversos nomes do Punk nacional e nternacional, além de ter realizado uma tour pelo Chile em 2003 , a ANARKOTOUR 2003. Entre os registros do PHOBIA destacam-se as participações em diversas coletâneas e dois discos próprios, o OUSAR LUTAR, OUSAR VENCER (produzido por Heraldo Paarmann, ex-Ultraje à Rigor), e o ANTES MORRER DE PÉ DO QUE VIVER DE JOELHOS, gravado, mixado e masterizado por Marcelo Pompeu e Heros Trench (Korzus).

Atualmente o OUSAR LUTAR... está sendo lançado na Espanha e estamos começandhttp://www.blogger.com/img/blank.gifo a gravar o que será o nosso terceiro disco, com o título provisório de VIVEMOS RESOS.


FONTE:http://www.rebelmusic.com.br

Discografia:
-Coletânea SP Punk Vol II, Desculpe Aturá-los Records, 1997 http://www.blogger.com/img/blank.gif
-Ousar Lutar, Ousar Vencer!, Rebel Music Records, 2000
-Vira-Latas, tributo ao Cólera, Kaskadura Records, 2004
-HC Scene Vol VI , Lab Records, 2004
-Punk Rock: Distorção & Resistência, Rebel Music Records, 2002
-Split, UHP Discos (Espanha), 2005, Rebel Music Records, 2005
-Antes Morrer de Pé que Viver de Joelhos, Rebel Music Records, 2005

MY SPACE: http://www.myspace.com/phobiapunkrockers

Monday, March 21, 2011


BIOGRAFIA

Grupo nasceu junto com a história do punk rock nacional

Grito Suburbano - 1982 Coletânea que inaugurou o movimento punk

Na década de 80, a cena Músical paulista assistia a um movimento cultural fortemente influenciado pela ressaca da ditadura. A face extrema desse norte eram as bandas com postura desafiadora e olhar punk - apesar do rótulo hoje ferir tanto aos puristas quanto aos inovadores.

Circulando pela noite paulista, em casas como Madame Satã, Carbono 14 e Espaço Retrô, e no ABC, região no Estado famosa pelos movimentos trabalhistas, vários grupos mostravam um som cru, afastados dos cosméticos tão facilmente audíveis atualmente. Os Inocentes faziam parte desse meio, e nasceram da união de duas bandas da periferia de São Paulo, o Condutores de Cadáveres e o Restos de Nada. O marco inaugural em vinil do punk brasileiro, a coletânea Grito Suburbano, trazia os Inocentes com dois outros ícones da época, o Olho Seco e o Cólera.
http://www.blogger.com/img/blank.gif
Garotos do Subúrbio - 1985

Há 6 anos com a mesma formação - e 20 de Gibsons plugadas em Marshals -, os Inocentes têm Clemente na voz e guitarras, uma figura já parte da história do punk rock brasileiro, Anselmo no baixo, Ronaldo na outra guitarra, e Nonô na bateria. A nova casa Músical do grupo é a Abril Music, que editou dois CDs dos Inocentes, Embalado a Vácuo, de 1999, e O Barulho dos Inocentes, do ano passado. Ao todo, foram 10 álbuns, alguns por grandes gravadoras, como a Warner, e dirigidos por midas da atualidade, como Liminha (Pânico em SP, de 1986, Adeus Carne, de 1987, Inocentes, de 1989). Até mesmo o Barão Vermelho Roberto Frejat já manejou os faders da mesa de som para o grupo, na produção do disco Inocentes, de 1989.

Um pé na popularidade, outro no underground


Pânico em SP - 1986
Gravadora Warner se interessa pelos Inocentes

Isso tudo só quer dizer uma coisa, que independente da postura aguda do som, os Inocentes sempre tiveram um pé na popularidade. Aliás, esse é o eterno ponto de confronto de bandas que surgiram do cenário punk brasileiro: assim que os Inocentes colocaram suas assinaturas em um contrato com a Warner, ganharam o notório carimbo de "traidores do movimento". Assim como outros tantos, os Inocentes já nem gastam mais saliva para falar no assunto. O fato é que o EP (disco menor que um LP em números de faixas) Pânico em SP foi o primeiro disco de punk distribuído por uma multinacional fonográfica.

E se isso tivesse sido um problema, teriam sido na realidade três, pois a Warner lançou mais Adeus Carne, de 1987, e Inocentes, de 1989. Algumas das músicas do grupo que permanecem na memória da década de 80: Não Acordem a Cidade, Pânico em São Paulo, Pátria Amada e Garotos do Subúrbio.


Inocentes - 1989
Último pela Warner, produzido por Frejathttp://www.blogger.com/img/blank.gif

Logo depois, voltaram para uma camada mais subterrânea de negócios, fhttp://www.blogger.com/img/blank.gifora das multinacionais, que já viraram alvo das alfinetadas dos Inocentes. Estilhaços, Subterrâneos e Ruas foram produzidos nessas condições, ao longo dos cinco anos seguintes, até 1998, quando a Abril Music acertou com Clemente e gang. Aliás, como um item nostálgico de colecionador, recentemente a banda masterizou em CD uma antiga demo tape de 1985, na realidade o ingresso para a Warner: chama-se Garotos do Subúrbio. Outra curiosidade é que o intermediador informal do negócio todo com a gravadora foi Branco Mello, do Titãs.

Outra história

Barulho dos Inocentes
- 2000
O mais recente trabalho, com participações especiais

Bem, quase 16 anos depois da demo registrada no estúdio de 8 canais, a história é outra. A banda já colocou sua marca sonora nas telas em curtas como Opressão, média Punks e longa Cidade Oculta. Mixaram sua bagagem com a dita vertente alternativa paulistana da MPB, em versões punk de músicas como Pesadelo, remodelaram Pânico em São Paulo para a sonoridade de Thaíde e DJ Hum em Testemunha Ocular, além de uma Intolerância com X, do Câmbio Negro.

O trabalho atual, Barulho dos Inocentes, deixa transparecer a maturidade ideológica e Músical do grupo. Além de Clemente, Nonô, Ronaldo e Anselmo, o disco traz participações de músicos convidados como Jota Moraes, que conduziu um arranjo de um quarteto de cordas para a canção Quanto Vale a Liberdade, além de DJ Branco, ex-Pavilhão 9, na música Periferia.

Por Ricardo Ivanov, Redação Terra.

Friday, November 06, 2009

PÉS SUJUS

Banda Formada em Abril de 2004, Na Zona Leste de São Paulo,com o intuito de fazer Punk rock para protestar contra as injustiças do mundo e para divertir a juventude sem futuro.

Com letras que mostram a realidade que xingam e zoam sem dó seus alvos de protesto (Estado,políticos, Militarismo, Polícia corrupta, Burgueses, playboys, Igrejas Neopentecostais e tudo aquilo que afunda o Brasil), Pé sujus segue firmando seu espaço no Underground punk rock e tocando onde for possível, sem intenções de ganhar dinheiro, apenas com a intenção de passar sua mensagem.

Formação:


Fernando Feio (Vocal)

Cesar (Guitar)

Gabriel Punkelo (Bass)
CHU (Drums
)

Download:
http://www.4shared.com/file/147414718/b96fd720/Pe_Sujus.html

Músicas do arquivo:

Autoridade
Univercifra
Mordaça de papel Moeda
Polícia Feminina
Proletário Traído
Proletário Traído II
Pulmão do Planeta
PunkRock do Suburbio

Senha para descompactação:
www.centralpunkrock.blogspot.com

Contatos:

http://www.myspace.com/pesujus
http://www.bandasdegaragem.com.br/pesujus



video

Thursday, August 20, 2009

AÇÃO DIRETA

Banda formada em 1987 na cidade de São Bernardo do Campo, região do ABC Paulista, uma história de atitude, persistência e fidelidade ao estilo Hardcore, tendo sempre trilhado os caminhos do underground.

Formação atual:

Gepeto – Voz
Marcão – Bateria
Pancho – Guitarra
Galo – Baixo


Discografia:

Senha para descompactação: www.centralpunkrock.blogspot.com

Resistirei (1989)
Baseado em Fatos Reais (1994)
Entre a Bênção e o Caos (1997)
Intervenção (1999)
Risotto Bombs - Live in Slovenia (2000)
Traidô - 20 bandas tocando Ratos de Porão
Tributo ao Olho Seco
(Rajoitettu Ydinsota - Tribute to RATTUS)
Ação Direta - TRIBUTO - 23 bandas tocando Ação Direta
Tributo aos Garotos Podres - 20 Anos de Podridão
The Tribute to Kaos - The chaos continues
Revolta/Repúdio/Confronto/Resistência- (2003)
Massacre Humano (2006)

Monday, June 22, 2009

DETESTATION

Banda Anarco-Punk americana derivada da cidade de Oregon formada por ex-integrantes das bandas Resist, Defiance, Starved and Delerious e outras, em sua formação mais ativa contou com : Saira (Vocal), Brian (Guitarra), Kelly (Baixo) e Dominic (Bateria). A banda atuou na cena Anarco-Punk no período de 1995 a 1998 e em suas músicas lutavam contra a homofobia, Racismo, Sexismo e outras mazelas sociais.

DISCOGRAFIA

SENHA DE TODOS OS LINKS www.centralpunkrock.blogspot.com


Unheard Cries (1995)http://www.4shared.com/file/113304544/52e0885f/detestation_-_unheard_cries.html
Detestation (1998) – http://www.4shared.com/file/113315528/88d02d27/Detestation.html
European 98 (1998) – http://www.4shared.com/file/113319847/c3bbbdb/DETESTATION-EUROPA98.html
A Tribute to Anti-Cimex (2005) http://www.4shared.com/file/113330950/8d4e69e4/V-A_-_A_Tribute_to_Anticimex-2005.html
The Inhuman Condition (1998)http://www.4shared.com/file/113463976/914bbe75/Detestation_-_The_Inhuman_Condition_7_inch.html video

Thursday, July 05, 2007

RATOS DE PORÃO E CÓLERA AO VIVO NO TEATRO LIRA PAULISTANA (1985)



Ratos de Porão/Cólera ao vivo é um álbum split das bandas brasileiras Ratos de Porão e Cólera, lançado em 1985. Foi um dos primeiros splits de hardcore lançados na América Latina.

Faixas:

Ratos de Porão


1. Anos 80
2. Guerrear
3. Só Pensa Em Matar
4. Morrer
5. Asas Da Vingança
6. Agressão/Repressão
7. Obrigado a Obedecer
8. Condenado
9. Não me importo
10. Crucificado Pelo Sistema
11. F.M.I.
12. Pobreza

Cólera

13. 1.9.9.2.
14. Quanto Vale a Liberdade
15. Duas Ogivas
16. Funcionários
17. X.O.T.
18. Gritar
19. Alucinado
20. Não Existe Mais

Download do arquivo

Monday, March 19, 2007

ENTREVISTA COM A BANDA DISCARGA VIOLENTA

Hoje não estaremos colocando nenhum arquivo para Download mas uma entrevista com a banda Anarco-Punk Discarga Violenta, vamos procurar a partir de hoje abrir esse novo espaço no nosso blog tanto para as bandas se manifestarem quanto para que as pessoas que admiram o trabalho das mesmas possam obter informações sobre trabalhos, divulgações ideológicas, shows e qualquer outra informação pertinente.

Entrevista concedida pelo nosso amigo Renato Maia.

CentralPunkRock: Renato Maia primeiramente gostaria de dizer o Discarga Violenta é uma banda que influenciou e influencia várias bandas da região Centro-Oeste, tanto pela atitude na defesa dos ideais libertários quanto pela qualidade e principalmente variedade no trabalho, sou até suspeito pois tenho o Discarga como uma das 5 melhores bandas punks e/ou anarquistas da estória, lembro-me da época das cartas, do DADA que é um trabalho fenomenal mas vamos lá....

CentralPunkrock: Como foi dito acima o Discarga Violenta foi e é uma banda que influencia a varias outras, faça um pequeno resumo da estória da banda para aqueles que ainda não conhecem ou tem vontade de conhecer?
Renato: É legal saber que motivamos as pessoas de alguma forma, no entanto as vezes nos sentimos incomodados com um certo status que vai se cristalizando e que achamos contraditório para qualquer banda punk. A banda existe desde 1988 e fazemos questão de manter a mesma postura sem admitir sequer a hipótese de nos beneficiarmos ou recebermos certos privilégios por ser uma banda “das antigas” e ter feito alguns trabalhos significativos. Somos anarco-punks e nossa preocupação maior não é com a música, sempre tentamos utilizar a banda como um instrumento de propagação das idéias libertárias e anti-capitalistas.
Lançamos alguns materiais em vinil, tivemos mudanças na formação do grupo e hoje estamos reduzidos a uma dupla (eu e glauco) e fizemos uma nova gravação no final de 2006 com alguns sons num estilo mais diferente, no entanto atualmente temos voltado prá um som mais rápido e curtinho como sempre foi característica da banda.

CentralPunkrock: Como você avalia a diversidade da banda? É proposital levando em conta a diversidade de trabalhos como o DADA, o Cosmopolita e agora o Barbárie? E como é feito o trabalho de criação dentro do Discarga Violenta?
Renato: Nunca ficamos presos a rótulos musicais e tentamos trabalhar com as diferentes influências de cada integrante que passou ou que está na banda, acho que é por isso que alguns sons soam bem diferentes. Também não hesitamos em experimentar, em inovar. É incrível, mas se vc perguntasse quais as bandas que nos influencia e tal seria muito difícil de responder, pois realmente não temos nenhuma referência sonora. Existem bandas que gostamos, que ouvimos, mas na hora de elaborar as letras, os sons, tudo sai de forma muito espontânea e coletiva.

CentralPunkrock: Como anda a cena Punk/Anarco da região Nordeste? Tem crescido? A cena é unida? Com certeza, na minha opinião, existem bandas que hoje estão na ativa ou que já existiram que na minha concepção deveriam ter um maior reconhecimento ou repercussão a nível nacional o que você acha a respeito disso?
Renato: A realidade aqui da região atualmente não tem sido favorável a cena anarcopunk. A desarticulação e a inatividade são bem evidentes, mas é sempre uma questão de fases. Tem períodos onde as produções e as atividades movimentam com uma intensidade impressionante e em outros períodos acontece o que está ocorrendo agora, quase nada se movimenta.
Com relação a repercussão ou reconhecimento a nível nacional acho isso irrelevante. Pra gente mesmo o que importa é a satisfação pessoal, é saber que estamos fazendo o que gostamos e que, como vc falou, reflete ou causa influencia em pessoas que são nossas amigas e que dividem coisas conosco e nem sei se esse tipo de sentimento se encaixaria em algo mais amplo que massificasse, entende? Pra gente é bem mais interessante essa coisa intima, envolta num sentimento gostoso que sempre produz boas e duradouras amizades. Nem nos preocupamos se ficamos restritos a um gueto punk ou a um circulo pequeno de amigos, o que importa é conseguir manter esses laços que aconchegam, que nos faz sentir bem e saber que temos amigos em vários pontos do mundo e que essa amizade, que essa aproximação, foi impulsionada pelo que produzimos, pelo que geramos a partir do punk, a partir da banda. Isso é muito legal.

CentralPunkrock: Gostaríamos que você deixasse um recado pra galera que acessa a Central PunkRock e também para todos os que admiram o trabalho do Discarga Violenta?
Renato: Acho importante que se okupe todos os espaços, que estejamos presentes sempre. A internet é um bom meio para trocarmos idéias, para expor o que pensamos e alargar nossos contatos, nossa forma de pensar. Só acho que não se pode deixar dominar, ficar restrito ao mundo virtual. É preciso fazer essas informações circularem no cotidiano, no nosso relacionamento com as pessoas que estão próximas. Seria legal ver uma edição da Central Punk Rock circulando de forma impressa também. Um zine com toda essa abragência que a internet nos oferece seria muito bacana.
Quem tiver afim de saber mais sobre a banda ou alguma outra informação da cena aqui em Natal nos contate, vamos nos aproximar mais... chega desses relacionamentos frios e distantes. Somos uma banda e podemos estar em cima de um palco, mas também somos público, também estamos no meio do pogo, das rodas de conversa. Não tem que existir essa diferença. Sigamos adiante!! Valeu Flávio e é muito bom reencontra-lo e saber que continuas produzindo e fazendo suas correrias. Toda força!!!



Wednesday, March 14, 2007

BIOGRAFIA E DISCOGRAFIA DOS RAMONES

Fonte: http://www.geracaorock.com.br/ramones

Os Ramones foram uma banda que revolucionou o rock n' roll com suas músicas básicas em épocas de riffs complicados de guitarra. Em 1974 quatro rapazes do surbúrbio de Nova York resolveram montar uma banda para devolver ao rock n' roll o espírito de rebeldia perdido com o passar dos anos.

Com Joey na bateria e Vocal, Johnny e Dee Dee na guitarra(Dee Dee não conseguia cantar e tocar ao mesmo tempo) e Tommy gerenciando a banda, eles tentam fazer versões das músicas de seus ídolos, porém as músicas não ficavam do agrado deles. Sendo assim, passam a compor suas próprias canções, nada muito elaborado, com apenas alguns acordes repetidos durante toda a música e letras meio repetitivas.

Joey resolve largar a bateria pois não conseguia acompanhar a levada rápida da banda, o que foi uma mudança na estrutura da banda. Tommy, que era manager da banda, passa a ser baterista, Joey passa para o vocal e Dee Dee para o Baixo.

No ano seguinte (1975) eles conseguem um contrato de 5 anos com uma gravadora e gravam seu primeiro lp intitulado apenas como Ramones, com o Sucesso Blitzkrieg Bop, com o famoso: Hey Ho Lets Go! E no ano seguinte gravam o segundo disco, o Leave home. É neste disco que sai a famosa frase: GABBA GABBA HEY, tirada da faixa Pinhead (cabeça de prego) que foi retirada de um filme de terror.

Em 1977 a banda grava seu terceiro disco chamado, Rocket to Russia, que foi o último com Tommy Ramone, que deixou a banda para voltar a ser manager e dar espaço para Marky entrar como baterista.

Em 1978 eles gravam Road to Ruin, que contem a famosa I Wanna be Sedated. No ano seguinte,a banda grava End Of The Century, com Do You Remember Rock n Roll Radio? e Rock in Roll Highshool.

Então começa os anos 80, e a banda começa a assinar as músicas separadamente, por causas das brigas e drogas. Sai o disco Pleasant Dreams,com a famosa The KKK Took My Baby Away.

Em 1983 lançam Subterranean Jungle, com a Psycho Therapy, única famosa do disco. Em 1985, a banda grava Too Tough to Die, com a banda sem Marky, e com Richie na bateria. Nesse album contem Howling At The Moon(Sha-la-la)

O próximo disco é Animal Boy, com Bonzo Goes to Bitburg e Somethyng To Belive In, após gravam Halfay to Sanity, àlbum menos conhecido da banda.

Em 1989 eles gravam Brain Drain. Neste disco está Pet Sematery, uma das mais conhecidas dos Ramones. No meio da turnê Dee Dee sai da banda.

Chegamos então à última formação da banda, entra nela C. Jay, que fez o teste e foi aprovado. C. Jay teve vários problemas com o público, ele tinha praticamente a metade da idade dos outros, mas isso deu um impulso para a banda.

Com C. Jay a banda grava Mondo Bizarro, que ganhou Disco de ouro. Pouco depois um Disco só de covers, Acid Eaters. E em 1996, eles lançam seu ultimo album de estúdio, Adios Amigos.

Eles no fim gravam mais 2 discos ao vivo, Greastet Hits e We`re Outta Here.

Joey Ramone morre de câncer linfático em 15 de abril de 2001 em Nova Iorque.

Dois anos depois, em 6 de junho de 2002, Dee Dee Ramone é encontrado morto em sua casa em Hollywood, supostamente por overdose de drogas.

Completando esta série de eventos trágicos, Johnny Ramone sucumbe a um câncer de próstata em 15 de setembro de 2004 em Los Angeles, Califórnia, e ganha uma estatua em sua homenagem.

Thursday, March 01, 2007

DOWNLOAD DE LIVROS DE TEMÁTICA ANARQUISTA E LIBERTÁRIA

E ai galera, hoje vamos mudar um pouco o rumo das nossas postagens, estaremos postando alguns livros de escritores anarquistas e libertários, ao lado estão a descrição dos mesmo, boa leitura a todos e gostariamos de agradecer ao Coletivo Sabotagem pelo "empréstimo forçado dos arquivos e sinopses" rsss!!

Direito a Preguiça (Paul Lafargue) - Uma estranha loucura se apossou das classes operárias das nações onde reina a civilização capitalista. Esta loucura arrasta consigo misérias individuais e sociais que há dois séculos torturam a triste humanidade. Esta loucura é o amor ao trabalho, a paixão moribunda do trabalho, levado até ao esgotamento das forças vitais do indivíduo e da sua progenitora. Em vez de reagir contra esta aberração mental, os padres, os economistas, os moralistas sacrossantificaram o trabalho. Homens cegos e limitados, quiseram ser mais sábios do que o seu Deus; homens fracos e desprezíveis, quiseram reabilitar aquilo que o seu Deus amaldiçoara. Eu, que não confesso ser cristão, economista e moralista, recuso admitir os seus juízos como os do seu Deus; recuso admitir os sermões da sua moral religiosa, econômica, livre-pensadora, face às terríveis conseqüências do trabalho na sociedade capitalista.

Deus e o Estado (Mikhail Bakunin) - A verdadeira escola para o povo e para todos os homens feitos é a vida. A única autoridade onipotente, simultaneamente natural e racional, a única que poderemos respeitar, será aquela do espírito coletivo e público de uma sociedade fundada no respeito mútuo de todos os seus membros. Sim, eis uma autoridade que não é de forma alguma divina, inteiramente humana, mas diante da qual nós nos inclinaremos de coração, certos de que, longe de subjulgar os homens, ela os emancipará. Ela será mil vezes mais poderosa, estejais certos, do que todas as vossas autoridades divinas, teológicas, metafísicas, políticas e jurídicas, instituídas pela Igreja e pelo Estado; mais poderosa que vossos códigos criminais, vossos carcereiros e carrascos.

Bakunin Por Bakunin (Mikhail Bakunin) - Bakunin por Bakunin apresenta várias cartas bastante representativas dos momentos mais importantes da vida de Bakunin. Nelas, Bakunin trata de questões como suas prisões, a “confissão” que fez ao czar Nicolau I, o exílio além de suas relações com a AIT e Karl Marx.

Lucro ou as pessoas (Noam Chomsky) - Reconhecido pelos críticos como um socialista libertário, Chomsky destacou-se na década de 1990 por ser o principal crítico do mercado livre. Para ele, o caráter liberal do capitalismo é estruturalmente falho e moralmente maléfico. Nesta obra, faz uma análise profunda do sistema doutrinário das democracias capitalistas e da ameaça neoliberal.
Libertação Animal (Peter Singer) - Todos os animais são iguais...ou por que razão o princípio ético sobre o qual assenta a igualdade humana nos obriga a ter igual consideração para com os animais.
Instrumentos para a investigação...os seus impostos aplicados.
Visita a uma unidade de criação intensiva...ou o que aconteceu ao seu jantar quando ele ainda era um animal.
Ser vegetariano...ou como produzir menos sofrimento e mais alimento com um custo reduzido para o ambiente.
O domínio do Homem…uma breve história do especismo.
O especismo hoje...defesas, racionalizações e objeções ao movimento de Libertação Animal, e progressos efetuados na sua resolução.

Em homenagem ao Coletivo Manifesto a frase que eles divulgam e que acho sensacional para encerrar esta postagem:
"Conhecimento não se compra! Se toma e se compartilha!"
Abraços a todos!!!

Seguidores